Um mês para o tão esperado júri do Caso Bernardo em Três Passos – Rádio Alto Uruguai | FM 92,5 – FM 106,1
Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

MANCHETES

Um mês para o tão esperado júri do Caso Bernardo em Três Passos

Esquema de segurança, distribuição de senhas e transmissão ao vivo: como será o júri do caso Bernardo

11 de fevereiro de 2019
Júri será acompanhado por veículos de mídia de todo o Brasil (Foto: Arquivo)

Em um mês, os acusados pela morte de Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, serão julgados em Três Passos, no noroeste do Estado. Quase cinco anos depois de o corpo ter sido encontrado em Frederico Westphalen, a madrasta dele, Graciele Ugulini, o pai, Leandro Boldrini, a amiga de Graciele Edelvânia Wirganovicz e o irmão dela Evandro sentarão no banco dos réus. Eles respondem por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

JURADOS

A escolha

Sete pessoas da Comarca de Três Passos (que inclui os municípios de Bom Progresso, Tiradentes do Sul e Esperança do Sul) serão responsáveis por dizer se os réus são culpados ou inocentes pelo crime de homicídio. Farão parte do conselho de sentença. Na terça-feira (12), serão sorteadas 25 pessoas (além de suplentes). Desse grupo serão tirados os sete jurados.

A rotina

Ficarão em um hotel, em Três Passos, até o fim do júri — que deve durar uma semana, conforme previsão da juíza Sucilene Engler Werle. Não poderão ter qualquer tipo de comunicação, seja com outros jurados ou com qualquer outra pessoa. Só poderão falar com o oficial de Justiça responsável e o assunto não poderá ser o julgamento. Não terão acesso a telefone, internet, TV, rádio ou jornal.

TESTEMUNHAS

Irão depor 28 testemunhas. O Ministério Público (MP) indicou cinco; a defesa de Boldrini, 12 (uma delas também arrolada pelo MP); os advogados de Evandro, oito; e a defesa de Graciele, quatro. Os advogados de Edelvânia não indicaram testemunha. Os nomes são mantidos em sigilo.

LOCAL

O salão do júri do Foro de Três Passos fica no 2º andar do prédio, localizado na Avenida Júlio de Castilhos, no Centro. Comportará 70 pessoas, com a colocação de cadeiras extras. Destes lugares, 25 serão reservados para a imprensa, membros do MP e do Tribunal de Justiça. Os outros 45 serão para o público em geral. Terão prioridade os familiares da vítima e dos acusados. Para os demais serão disponibilizadas, diariamente, senhas fornecidas pela 1ª Vara Judicial, no saguão do Foro.

Boldrini, Graciele, Edelvânia e Evandro ficarão lado a lado durante o julgamento, no mesmo espaço destinado aos seus advogados. Quando o réu for chamado para prestar depoimento, ficará em uma cadeira em frente à juíza.

SEGURANÇA

O TJ está programando esquema especial de segurança para o julgamento. Ainda não se sabe se haverá expediente normal no Foro de Três Passos no dia do júri.

TRANSMISSÃO

O julgamento será transmitido ao vivo, pela internet, e terá cobertura em tempo real pelo Twitter do Tribunal de Justiça do RS.

A ORDEM

1 – A juíza começará a sessão ouvindo as testemunhas. Não estão definidos os períodos diários do julgamento. A previsão de duração é de sete dias. A magistrada, o MP, o assistente de acusação, os advogados dos réus e os jurados poderão fazer perguntas.

2 – Depois, serão interrogados os réus. A ordem das perguntas segue o mesmo esquema das testemunhas.

3 – Começam os debates entre a acusação e as defesas. Pelo MP, o promotor Bruno Bonamente terá duas horas e meia para sua manifestação. Os advogados dos réus terão o mesmo tempo, mas dividido entre os quatro. Depois, são duas horas para réplica e mais duas para tréplica, também divididas. Se promotor não quiser réplica, não haverá tréplica. Ainda não foi definida a ordem de interrogatório dos réus nem de manifestação das defesas.

4 – Ao final, os jurados se reúnem na sala secreta e decidem se os réus são culpados ou inocentes. A juíza Sucilene divulgará a sentença. Em caso de condenação, aplicará as penas.

Para desembargador do TJ, júri deve durar dois ou três dias

Vice-presidente do Tribunal de Justiça e presidente do Conselho de Comunicação da Corte, o desembargador Túlio Martins considera a morte de Bernardo um caso de comoção nacional e, segundo ele, “internacional, do ponto de vista da América Latina”. Sobre a segurança, afirma que “serão colocados quantos policiais forem necessários”.

O magistrado lembra que será preservada a incomunicabilidade dos réus, mas diz que existe controvérsia quanto à mesma medida por parte das testemunhas.

“Não vejo motivo para que as testemunhas fiquem incomunicáveis com tudo que já se viu desse processo. E não acho que o júri vai demorar sete dias. Acho que vai durar dois, três dias”, afirma.

Fonte: Rádio Alto Uruguai (com informações do site GaúchaZH e TJRS)

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados