Perito arrolado pela defesa afirma que assinatura em receita não é de Leandro Boldrini – Rádio Alto Uruguai | FM 92,5 – FM 106,1
Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

MANCHETES

Perito arrolado pela defesa afirma que assinatura em receita não é de Leandro Boldrini

Perito grafotécnico Luiz Gabriel Costa Passos foi a terceira e última testemunha a depor nesta terça-feira.

13 de março de 2019
Perito disse ter encontrado sete divergências em relação aos hábitos gráficos de Leandro. (Foto: TJ RS)

A terceira e última testemunha que depôs nesta terça-feira, no júri do Caso Bernardo, foi o perito grafotécnico Luiz Gabriel Costa Passos. Ele foi chamado ao júri para reafirmar que, em sua análise, a assinatura da receita do medicamento midazolam, que foi injetado no menino Bernardo, não é a do médico. O Ministério Público contesta. A defesa de Leandro abriu mão de ouvir três testemunhas que estavam arroladas: os irmãos de Leandro, Paulo e Wilson Boldrini, e a cunhada, Sonia Maria Lunardi Boldrini.

A perícia contratada pela defesa analisou as perícias oficiais que constam nos autos e foram realizadas pelo IGP-RS. O laudo do IGP foi inconclusivo para apontar se a assinatura de Leandro era autêntica. O perito contratado para reanalisar a assinatura disse ter encontrado “sete divergências significativas em relação aos hábitos gráficos de Leandro”. A testemunha afirmou que encontrou “velocidade inferior aos padrões”, e “interrupção anormal no movimento da escrita”, com paradas e retornos que “significam indícios fortes de falsificação gráfica”. O perito concluiu que a assinatura não é do “punho de Leandro Boldrini” e que foi uma imitação.

O perito explicou aos jurados diferenças entre a assinatura questionada e outra que aponta como padrão de Leandro. Entre outros pontos, ele encontrou discrepâncias entre local do início da escrita e forma do arco na primeira letra da rubrica. Luiz Gabriel disse ter identificado como “parada anormal da caneta que não existe em nenhum dos 160 padrões de escrita de Leandro”. O promotor Ederson Vieira mostrou rubricas de Leandro em documentos juntados aos autos para contestar conclusão do perito. Vieira argumentou que o perito comparou rubrica com assinatura. O material questionado, por exemplo, seria uma rubrica. O promotor sugeriu que o perito teria feito comparações com material gráfico que beneficiasse a tese de defesa.

A promotora Sílvia Jappe questionou o motivo de a defesa ter juntado o parecer técnico do perito ao processo somente na semana passada. Ela também quis saber quanto Luiz Gabriel recebeu pelo trabalho. O perito não informou quanto recebeu e disse que isso se tratava de que “questão de foro íntimo”.

Fonte: Rádio Alto Uruguai

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados