OAB questiona COAF sobre investigações contra Glenn Greenwald – Rádio Alto Uruguai | FM 92,5 – FM 106,1
Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

MANCHETES

OAB questiona COAF sobre investigações contra Glenn Greenwald

OAB manifesta estar preocupada em assegurar a liberdade de expressão do jornalista

5 de julho de 2019
Jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil (Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados)

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) quer explicações sobre a suposta solicitação, por parte da Polícia Federal, do relatório das atividades financeiras do jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil. O jornalista é um dos principais responsáveis pela veiculação dos vazamentos de mensagens que indicam suspeição do ex-juiz Sérgio Moro na condução da Operação Lava Jato.

Em ofício enviado ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), na quarta-feira (03), a OAB manifesta estar preocupada em assegurar a liberdade de expressão do jornalista. “A referida especulação tem suscitado a preocupação acerca do risco de violação ao direito fundamental à liberdade de expressão, o qual foi consagrado na Constituição da República de 1988, e constitui um dos pilares do regime democrático brasileiro”, defende a entidade.

O documento também cita que a liberdade de imprensa é mantida pelo artigo 220 da Carta Magna. “A Ordem dos Advogados do Brasil, na condição de defensora do Estado Democrático de Direito e dos direitos humanos, compreende que a manutenção da democracia só é possível com a possibilidade de a mídia atuar livremente”, afirma o texto.

O ofício foi assinado pelo presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, e dirigido ao presidente do COAF, Roberto Leonel de Oliveira Lima. Não é a primeira vez que a entidade divulga um parecer sobre os escândalos da Lava Jato. No dia 10 de junho, a instituição publicou uma nota em que recomenda o afastamento dos envolvidos no vazamento, incluindo o ministro da Justiça, Sérgio Moro. A posição foi criticada pelo ex-juiz em audiência na Câmara, na terça-feira 2, mas a entidade afirmou a CartaCapital que mantém o entendimento.

Fonte: Revista Carta Capital

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados