Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

Governo promete liberação de auxílio e crédito emergencial a agricultores em duas semanas

Agricultores familiares ligados à Fetag conseguiram avanços na negociação nesta quinta-feira (31)

1 de abril de 2022
Agricultores ocuparam prédio do Ministério da Economia em Porto Alegre. (Foto: Divulgação/Fetag-RS)

Agricultores familiares ligados à Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS) conseguiram nesta quinta-feira (31) avanços na negociação de medidas para compensar os prejuízos causados pela estiagem no Estado. Após reunião com o chefe da Casa Civil, Artur Lemos, e o governador Ranolfo Vieira Júnior, o presidente da federação, Carlos Joel da Silva, obteve a promessa de que o pagamento do auxílio emergencial e a liberação do crédito emergencial já anunciados para o setor sairão do papel dentro de duas semanas.

Nos últimos três dias, os produtores fizeram manifestações na capital, ocupando prédios públicos. Na quinta-feira, protestaram na sede da Receita Federal. Na próxima semana, a Fetag, a Casa Civil, a Frente Parlamentar da Agropecuária Gaúcha e a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Rural (Seapdr) voltam a se reunir para bater o martelo sobre o número de famílias que serão atendidas pelo auxílio no valor de um salário mínimo, o chamado Bolsa-Estiagem.

Os agricultores esperam que o benefício contemple pelo menos 60 mil famílias, afirmou Joel. Também será definido o valor do crédito emergencial com juro zero, que a federação pede que seja de pelo menos R$ 20 mil por família.

No plano federal, uma vitória importante do setor foi a publicação, na noite de terça-feira, da medida provisória que concede R$ 1,2 bilhão em crédito extraordinário para rebate no pagamento de parcelas de operações do Pronaf, no caso de produtores não amparados pelo Proagro ou pelo Seguro Rural. Por solicitação da Fetag, a medida atenderá municípios que decretaram emergência até 28 de fevereiro, e não só até 7 de fevereiro.

De acordo com Joel, ainda falta um decreto regulamentando a MP e a definição do percentual de desconto, que depende de resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Fonte: Correio do Povo

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2022 ® - Todos os direitos reservados