Ex-secretária de Leandro Boldrini afirma que sua vida acabou em Três Passos – Rádio Alto Uruguai | FM 92,5 – FM 106,1
Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

MANCHETES

Ex-secretária de Leandro Boldrini afirma que sua vida acabou em Três Passos

Andressa Wagner testemunhou nesta terça-feira no júri do Caso Bernardo, em Três Passos.

12 de março de 2019
Ex-secretária teve que mudar de cidade após sofrer com linchamentos nas redes sociais. (Foto: Reprodução/TJ RS)

A terceira testemunha que depôs no julgamento do Caso Bernardo, nesta terça-feira, foi a ex-secretária no consultório do médico Leandro Boldrini. Andressa Wagner foi a última testemunha arrolada pela acusação e a primeira da defesa a ser ouvida. Durante cerca de 1h35min ela respondeu a questionamentos tanto do Ministério Público como dos advogados de defesa dos quatro réus.

Andressa afirmou, em seu depoimento, que nunca viu Leandro maltratar o filho. Após o desaparecimento de Bernardo, a então secretária não chegou a notar mudanças na rotina do médico. Ele teria seguido normalmente com seu trabalho, conforme ela. Conforme o depoimento, Leandro nunca lhe autorizou a preencher ou assinar receitas em seu nome. Receitas em branco deixadas no consultório, já assinadas, eram fatos excepcionais, conforme Andressa.

Graciele pedia para que o menino não perambulasse pelas ruas de Três Passos, pois já havia um comentário de que isso acontecia, disse Andressa. A madrasta, de acordo com a ex-secretária, dizia que o menino devia ir para casa estudar. A testemunha relatou também que Graciele ordenava que o menino não ficasse na clínica, pois lá não seria o lugar dele. Bernardo esteve na clínica na semana em que morreu e falou para a secretária que iria ganhar um aquário.

A testemunha contou que Edelvânia e Graciele se encontraram no consultório dias antes de o menino acabar morto. O homicídio ocorreu numa sexta-feira e esse encontro, na terça. Edelvânia teria estado na sala de Leandro, onde ficavam as receitas médicas do profissional.

Um dos momentos de maior tensão no depoimento foi quando o Ministério Público demonstrou vários exemplos de assinaturas que supostamente haviam sido realizadas por Leandro Boldrini. Primeiramente, a testemunha disse que ele usava a mesma assinatura sempre, porém, ao ser confrontada por diversas assinaturas diferentes uma da outra, Andressa não soube precisar quais eram realmente de Leandro.

Testemunha diz que sua vida acabou em Três Passos

Outro momento tenso foi quando o advogado de defesa de Leandro Boldrini, Ezequiel Vetoretti, relembrou a reabertura da investigação sobre a morte da mãe de Bernardo, Odilaine Uglione. Ela se suicidou em 2010, mas o caso acabou sendo reaberto em 2016. Levantou-se a suspeita, na época, que Andressa teria assinado a carta de despedida que Odilaine deixou um dia antes de se matar. Essa hipótese foi levantada por uma perícia técnica contratada pela família de Odilaine em parceria com a Rede Record de televisão.

Ao tocar no assunto sobre a perícia que lhe atribuiu a assinatura, Andressa chorou e afirmou que não gostaria de responder. Ela se limitou a dizer que sua vida acabou em Três Passos. A testemunha teve que se mudar para a cidade de Dois Irmãos por causa de ameaças e linchamentos que sofreu nas redes sociais. Por fim, Andressa ainda confirmou que foi pressionada em seu depoimento concedido à delegada Caroline Bamberg Machado em 2014. Ao tocar neste tema, novamente ela se emocionou.

Fonte: Rádio Alto Uruguai

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados