“A autoridade de Leandro era exercida com violência e certo sadismo”, declara testemunha – Rádio Alto Uruguai | FM 92,5 – FM 106,1
Contato Whatsapp:
Contato Whatsapp:
Clima

Humaitá-RS

Clima

São Martinho-RS

Clima

Três Passos-RS

Clima

Crissiumal-RS

MANCHETES

“A autoridade de Leandro era exercida com violência e certo sadismo”, declara testemunha

Psicóloga Ariane Schmitt foi a segunda a depor nesta terça-feira no júri do Caso Bernardo.

12 de março de 2019
Ela fez considerações sobre o papel paterno e a influência das trocas emocionais entre pais e filhos. (Foto: Reprodução/TJ RS)

A psicóloga Ariane Schmitt, arrolada pela acusação, foi a segunda testemunha a depor nesta terça-feira no júri do Caso Bernardo Boldrini. Ela relatou ter atendido o menino em cerca de seis oportunidades. O depoimento, que durou cerca de uma hora e meia, iniciou por volta das 13h, logo após o recesso do almoço. A testemunha também pediu que os réus não estivessem presentes no Salão do Júri, assim como a primeira que foi ouvida.

Durante o depoimento, a acusação expôs um vídeo em que o pai gravou Bernardo carregando um facão. Segundo Ariane, com base no vídeo apresentado, a autoridade de Leandro era exercida com violência e certo sadismo. A testemunha questionou a exposição da criança, no vídeo, a uma situação de extrema irritabilidade. “Não é o Bernardo que todos conhecemos”. Segundo ela, o menino era dócil, sensível, carinhoso e pedia abraços.

A psicóloga fez considerações aos defensores sobre o papel paterno e a influência das trocas emocionais entre pais e filhos. Ela declarou também que Bernardo se autoministrava três medicações. Ela disse que teve impressão de que Leandro era um pai sem empatia pelo filho. Perguntada pelo defensor de Graciele se Bernardo disse que odiava alguém, a testemunha disse que sim, a madrasta.

Fonte: Rádio Alto Uruguai

A melhor programaçãoonline

Selecione a rádio
Copyright 2018 ® - Todos os direitos reservados